(15) 3527-1749 - fax: (15) 3527-1749
21 de Maio de 2018

Tratamento com ozônio combate contaminação em produtos de trigo

Pesquisa na USP em Piracicaba usa método para destruição de micotoxinas que pode favorecer processo industrial

A segurança alimentar é um tema que envolve pesquisadores de diversas áreas da ciência. Da engenharia agronômica à ciência de alimentos, da nutrição à medicina, a questão é foco também de uma pesquisa realizada na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP que promete contribuir com a indústria ligada à produção de grãos, em especial do trigo.

Com orientação do Pedro Esteves Duarte Augusto, professor do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição, Allana Patrícia Santos Alexandre utilizou a tecnologia do ozônio a fim de reduzir a contaminação de dois tipos de micotoxinas (toxinas de fungos) em produtos de trigo, mais especificamente na farinha de trigo integral, no farelo de trigo e em efluente da moagem. “Também avaliamos o impacto desse processo na qualidade tecnológica e nutricional desses produtos”.

Segundo os pesquisadores, as micotoxinas são substâncias produzidas por fungos que podem contaminar produtos agrícolas nas diversas etapas de produção, desde o campo até o armazenamento. “Elas podem causar sérios danos à saúde humana e animal, além de perdas econômicas. Sendo assim, são necessárias alternativas que reduzam essa contaminação”, comenta Maria Antonia Calori-Domingues, pesquisadora associada do projeto. Uma alternativa para reduzir a contaminação de micotoxinas é a utilização do gás ozônio. “Essa tecnologia já é utilizada para diferentes fins e não gera resíduos tóxicos, sendo considerada ambientalmente favorável”, complementa o professor Pedro.

O trabalho demonstrou que a utilização da tecnologia do ozônio foi eficaz na redução da contaminação das micotoxinas estudadas, sendo os resultados promissores para aplicação industrial. “A continuação dos estudos visa gerar informações para a possibilidade de aplicar esta tecnologia na indústria, seja em produtos para alimentação humana ou animal, com embasamento técnico-científico, visando à segurança alimentar e à obtenção de produtos de melhor qualidade”.

Qualidade

A redução da contaminação das duas micotoxinas foi efetiva na farinha de trigo integral, farelo de trigo e efluente do processo de moagem. “Algumas propriedades de qualidade da farinha de trigo integral ozonizada também foram alteradas, o que pode ser desejado ou indesejado dependendo da aplicação. A qualidade nutricional do farelo de trigo não foi afetada pelo processo de ozonização, o que é bastante desejável tanto para o consumo humano como animal”, complementa autora do trabalho.

“Mesmo tendo resultados efetivos na redução de contaminantes, o monitoramento da cadeia de produção não deve ser negligenciado, sempre adotando boas práticas agrícolas. Assim, a ozonização só deve ser usada para gerenciar a produção de grãos e derivados”, ressalta a Maria Antonia, referindo-se a outras etapas da produção agrícola.

A pesquisa foi desenvolvida sob orientação do professor Pedro Esteves Duarte Augusto, que coordena o Grupo de Pesquisas em Engenharia de Processos (Ge²P), em conjunto com Maria Antonia Calori-Domingues, especialista do Laboratório de Micologia e Micotoxinas, ambos da Esalq. Contou, ainda, com a participação de outros alunos de graduação e pós-graduação, bem como professores. Para a realização, os pesquisadores tiveram apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e doConselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Durante o doutorado, Allana Patrícia Santos Alexandre foi bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Os resultados estão publicados em periódicos internacionais: Journal of Environmental Science and Health Part B – Pesticides Food Contaminants and Agricultural Wastes  e Food Additives and Contaminants Part A-Chemistry Analysis Control Exposure & Risk Assessment.  

Fonte: Jornal da USP