(15) 3527-1749 - fax: (15) 3527-1749
9 de Junho de 2017

Mapa e entidades debatem destinação de carcaças de animais

Grupo de trabalho vai apresentar proposta para dar tratamento adequado ao material

Em 90 dias, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e as entidades do setor envolvido na coleta, processamento e destinação de carcaças de animais nas propriedades rurais deverão elaborar propostas para o direcionamento correto destes subprodutos. Portaria publicada no Diário Oficial da União criou grupo de trabalho com esta finalidade.

O GT será composto de integrantes do Departamento de Saúde Animal (DSA), da Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa, Fórum Nacional dos Executores de Sanidade Agropecuária (Fonesa); Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e Associação Brasileira de Reciclagem Animal (Abra).

A destinação de carcaças de animais que morrem por causas rotineiras ou catastróficas é um problema que afeta a maioria das propriedades rurais produtoras de suínos, aves e bovinos. A preocupação se deve especialmente à falta de uma regulamentação específica para a remoção e destinação que atenda os aspectos sanitários, ambientais e econômicos.

A Embrapa Suínos e Aves, de Concórdia (SC), tem atuado na avaliação de práticas e tecnologias apontadas como rotas tecnológicas: compostagem acelerada, biodigestão anaeróbia (decomposição de matéria orgânica que ocorre na ausência de oxigênio gerando o biogás), desidratação, incineração e reciclagem industrial de carcaças (rendering) para a produção de farinhas, gorduras, fertilizantes e outros coprodutos de valor agregado. A avaliação das rotas é realizada por meio do projeto Tecnologias para destinação de carcaças (TEC-DAM), que conta com a participação da Embrapa Gado de Leite (MG) e do Mapa.

A reciclagem animal é a atividade que processa as partes não comestíveis do abate, transformando-as em gorduras e farinhas de origem animal. O Brasil está entre os quatro maiores produtores de reciclados. Existem duas modalidades de reciclagem: aquela feita por empresas associadas aos frigoríficos, as graxarias, e as indústrias independentes, chamadas de fábricas de produtos não comestíveis (FNPC).

Os últimos dados apontam que o setor tem 512 empresas, das quais 343 são graxarias e 169 FNPC. A atividade garante a retirada anual de mais de 12 milhões de toneladas de subprodutos de origem animal, em sua maioria destinados à nutrição animal (rações). Sem a reciclagem, haveria elevado risco sanitário (propagação de doenças) e poluição ambiental.

Fonte: MAPA