(15) 3527-1749 - fax: (15) 3527-1749
12 de Julho de 2017

Embrapa expõe tecnologias voltadas à agricultura familiar durante o lançamento do Plano Safra 2017/2018

A técnica Dorinha Medeiros apresenta a caixa entomológica de abelhas ao público que visitou o evento

A Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia apresentou os serviços ecossistêmicos de polinização durante exposição de tecnologias para agricultura familiar montada por ocasião do lançamento do Plano Safra 2017-2018 no dia 11 de julho de 2017, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília, DF. O público que visitou o estande da Embrapa na exposição conheceu a diversidade de abelhas existente no País e a importância da polinização para a produção agrícola.

Das 141 espécies de plantas cultivadas no Brasil para uso na alimentação humana, produção animal, biodiesel e fibras, aproximadamente 60%, ou seja, 85 espécies, dependem da polinização animal. Estima-se que o valor econômico da polinização feita por insetos, principalmente abelhas, corresponda a 9,5% da produção agrícola. Sem contar a produção de mel, que movimenta mais de R$ 300 milhões.

Por isso, a polinização por abelhas vem sendo incentivada pela Embrapa e por outras instituições de pesquisa e ensino nacionais e internacionais como técnica de manejo imprescindível ao funcionamento dos agroecossistemas dentro de uma perspectiva agroecológica, que se baseia na adoção de práticas agrícolas mais amigáveis para o ambiente e, ao mesmo tempo, rentáveis para os produtores.

Uma iniciativa nacional denominada “Rede de Polinizadores do Brasil” abrangeu sete projetos em rede voltado ao monitoramento da ação de abelhas nas culturas de: algodão, melão, castanha do Brasil, tomate, caju, maçã e canola. Dessas, três foram coordenadas pela Embrapa: algodão, melão e castanha do Brasil.

Todos esses estudos levam à conclusão de que a ausência de polinizadores pode comprometer a segurança alimentar e repercutir negativamente na economia com a diminuição da produtividade das culturas. Para conservá-los é imprescindível minimizar os impactos ambientais das práticas agrícolas.

Perspectiva agroecológica na produção agrícola

Na verdade, como explica o pesquisador da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Edison Sujii, que esteve presente à exposição no CCBB, a polinização é uma das técnicas de manejo incentivadas pela Embrapa junto aos agricultores familiares. Ela faz parte de um pacote mais amplo de tecnologias utilizadas na transição agroecológica de propriedades agrícolas, com o objetivo de adequar os sistemas de produção tradicionais às bases ecológicas exigidas pelo mercado atual. Essa concepção de desenvolvimento baseada na sustentabilidade é feita de forma participativa com os agricultores a partir da adoção de modelos tecnológicos menos agressivos ao meio ambiente visando à produção de alimentos limpos.

O desenvolvimento rural sustentável é uma forma de reverter a degradação ambiental, melhorar a qualidade dos alimentos e diminuir a dependência dos agricultores dos insumos químicos industriais. Além disso, pode contribuir para que os pequenos agricultores consigam entrar no mercado de produtos orgânicos, que vem crescendo muito no Brasil, acompanhando as tendências atuais de consumo por produtos mais saudáveis e nutritivos.

Fonte: EMBRAPA