(15) 3527-1749 - fax: (15) 3527-1749
16 de Outubro de 2017

Dia Mundial da Alimentação

Mudar o futuro da migração. Investir em segurança alimentar e desenvolvimento rural.

Para 2017, a FAO escolheu os deslocamentos humanos como tema da data. Em 2015, o contingente de migrantes internacionais — que cruzam fronteiras — foi estimado em 244 milhões, número que representa um aumento de 40% em relação a 2000. O volume de pessoas se deslocando dentro de territórios nacionais ultrapassava as migrações rumo ao exterior. Em 2013, havia 763 milhões de indivíduos migrando dentro dos próprios países.

No ano passado, a Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) estimou em 65,6 milhões o número de pessoas forçadamente deslocadas por conflitos e ameaças aos seus direitos humanos. Desse grupo, 22,5 milhões eram refugiados.
 

Migração no Brasil

A maior saída do campo para a cidade foi registrada entre as décadas de 1960 e 1980. Dados do censo demográfico de 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que a taxa anual de migração campo-cidade, no início de 2000, era de 1,31%. O índice caiu para 0,65% em 2010. De 1980 a 2010, a população rural passou de 39 milhões de pessoas para 29,8 milhões.

Também em 2010, o IBGE estimava que havia 491.645 brasileiros vivendo fora do Brasil. Os principais destinos escolhidos por esses expatriados foram os Estados Unidos, Portugal e Espanha.

De 2014 a 2016, a Receita Federal registrou a entrega de mais de 55 mil Declarações de Saída Definitiva do País. O número representa um crescimento de 81,61% na comparação com os três anos anteriores. Crise econômica e alta no desemprego são os principais motivos da partida.

Segundo dados da Polícia Federal, o Brasil abriga 1.847.274 imigrantes regulares. Mais de 117 mil estrangeiros deram entrada no país apenas em 2015. Os haitianos estão no topo da lista: foram 14.535 registrados pela PF. Os bolivianos ocupam o segundo lugar (8.407), seguidos pelos colombianos (7.653), argentinos (6.147), chineses (5.798), portugueses (4.861), paraguaios (4.841) e norte-americanos (4.747).

De maneira geral, os imigrantes que dão entrada no Brasil são jovens, homens e com nível de escolaridade médio ou superior. As regiões Sul e Sudeste são as que mais absorvem trabalhadores estrangeiros.