(15) 3527-1749 - fax: (15) 3527-1749
24 de Dezembro de 2015 - José Cezar Panetta

Reunião de higienistas Alimentares em Búzios, RJ

Durante três dias o congresso discutiu o alimento seguro, as formas de obtê-lo e o papel da pesquisa na validação de medidas que assegurem a saúde do consumidor.

Passados 26 anos do Primeiro Encontro Nacional de Higienistas de Alimentos, ocorrido no Rio de Janeiro, no Colégio Brasileiro de Cirurgiões, em 1989, profissionais novamente se reuniram durante os dias 28 de abril a 1 de maio, na cidade de Armação de Búzios, imbuídos pelo mesmo espírito solidário do primeiro encontro, para buscar informações, diagnósticos, análises e soluções para as mais diversas questões que desafiam a todos quantos trabalham diuturnamente nessa estratégica e complexa área dos alimentos. Estes 7º Congresso Latinoamericano e 13º Brasileiro de Higienistas de Alimentos marcaram de forma grandiosa a luta permanente dos profissionais deste vastíssimo e complicado setor, independentemente da formação de cada um, irmanados no ideal quase divino de prover a cada habitante de nossos países, o alimento necessário, saudável e justo para a sua sobrevivência.
Os congressos iniciaram sob o impacto da escassez de água, em diversas regiões do Brasil e do mundo, demonstrando a preponderância das questões ambientais sobre a vida e as atividades desenvolvidas pelo homem no planeta. Algumas questões assumem, mesmo, um protagonismo emergencial, como o desafio de produzir alimentos sem agredir o meio ambiente, mas, também, produzi-los com menor quantidade de água, uma vez que é fato consumado que a disponibilidade desta é finita e cada vez mais difícil, como consequência da falta de solidariedade, do egoísmo e da irresponsabilidade do homem. A Sustentabilidade, juntamente com a Promoção da Saúde, foram os grandes focos deste Higienista 2015. A grade científica contribuiu para aprofundar o conceito da qualidade e da segurança dos alimentos em todas as dimensões e, mais, motivar a filosofia da produção ética, uma vez que não basta um alimento inócuo, que não põe em risco a saúde do consumidor, mas, além disso, é preciso não enganar o consumidor, não burlar a sua confiança, mesmo que a fraude perpetrada não leve diretamente ao risco de saúde. Afinal, busca-se adotar de vez a proteção de alimentos como dogma ou, mais, chegar à chamada cultura da segurança de alimentos.
ALIMENTO, PROMOÇÃO DA SAÚDE E COMPROMISSO SÓCIO-AMBIENTAL, foi, portanto, a temática abordada nesta edição, em torno da qual analisou-se o estágio atual da cadeia produtiva dos alimentos e, sobretudo, as tendências que já se observam e que remetem para um futuro bem próximo e, sob certos aspectos, bastante complicado, em face de variáveis que deverão ser respeitadas, como o respeito pelo ambiente e o apelo ao bem-estar dos animais de produção. Paralelamente aos congressos ocorreram dois outros eventos: o 3º Encontro Nacional de Vigilância das Zoonoses e o 5º Encontro do Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal. Nesses Encontros, além das Experiências Bem Sucedidas, mostrando interessantíssimas iniciativas e realizações de profissionais das mais recônditas regiões das Américas, foi também outorgado o Prêmio Miguel Cione Pardi, nosso emérito e saudoso professor de Tecnologia e Inspeção Sanitária de Produtos de Origem Animal, da UFF, além de dois prêmios especiais: o PRÊMIO SIF 100 ANOS e o prêmio INOCUIDADE DOS ALIMENTOS: RESPONSABILIDADE COM A SAÚDE PÚBLICA.
Por mais eficientes que sejam os meios tecnológicos de comunicação, com os quais aprendemos a conviver no mundo globalizado de hoje, parece existir uma química toda especial quando experimentamos a vivência do encontro físico com os amigos e colegas de trabalho, ocasião em que a troca de ideias e experiências, o contraponto das colocações, levam à oportunidade do debate e, deste, ao esclarecimento, às soluções, à sedimentação das ideias. É fato que o homem se vê, hoje, invadido até em sua privacidade por notícias e informações técnicas provenientes das partes mais remotas do mundo, não encontrando, todavia, tempo para meditar sobre elas, analisá-las mais profundamente, pensar e discutir a respeito delas.
Assim, a validade destes congressos pode ser medida em duas dimensões: a primeira, permitindo o aprofundamento dos conhecimentos, já que é indispensável ao técnico a constante atualização de sua área de especialização; e a segunda, oferecendo a oportunidade especial do contato com outros profissionais da área, resultando num manancial de ideias e experimentações que levam indubitavelmente à conquista e ao avanço pessoal.
Parabenizamos a todos os participantes e colaboradores deste importante Evento que, juntos construíram um verdadeiro fórum de ideias e de discussão dos problemas que afligem a produção, a industrialização e a distribuição de alimentos no Brasil e na América Latina. Especialmente à Comissão Organizadora que, atuando juntamente com a empresa GT5, na administração dos eventos, também foi responsável pela análise de 1.456 trabalhos científicos submetidos, dos quais 1.213 foram apresentados durante os congressos sob a forma de pôster, diga-se, novo recorde de todos os eventos da série, já realizados. Tais pesquisas estão indexadas na edição 242/423 da Revista Higiene Alimentar e constam no CD que a acompanha, o qual constitui-se em encarte eletrônico do Volume 29, Números 242/243, março/abril de 2015. Saliente-se que neste CD os trabalhos mencionados constam absolutamente na íntegra e o mesmo proporcionará uma importante fonte de atualização para nossos leitores.